quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

WINGWALKING – CAMINHANDO SOBRE AS ASAS - MARTA BOGNAR


Marta Bognar - A Wingwalking Brasileira!
Conheci a Marta Bognar numa dessas festas ( Portões Abertos da Academia da Força Aérea – AFA), pessoa incrivelmente simples, simpática e bastante agradável.

Marta já era da aviação, foi Comissária de Bordo da VASP por isso sua paixão pela Aviação.

Nascida em 1.961 “virou”
Wingwalking, ou para quem não se lembra, aquela mulher que fica dependurada em cima da asa de um Biplano, “amarrada” por tirantes (safety lines) e sem paraquedas,  pilotado por Pedrinho Mello (2000 até 2011), desde então os pilotos Ricardo Beltran Crespo, que voou na Esquadrilha da Fumaça e Rogério Neves que também foi instrutor na Academia da Força Aérea (AFA) por muito tempo, revezam no comando do Stearman.

Marta faz parte da única equipe desse tipo na América do Sul, mas iniciou seus primeiros contatos para ser uma WingWalking nos Estados Unidos, com sua instrutora Margareth Stivers.

Nos Estados Unidos iniciou seus treinamentos nos dias de folga quando em janeiro de 2.000 começou a viabilizar o show no Brasil. 

Marta recebeu a Medalha Santos Dumond em 2004 e o Prêmio Excelência Mulher em São Paulo em 2.009.

WingWalker é considerado um atividade aerodesportiva e surgiu nas primeiras décadas do século passado e resgata a história da aviação.

Atualmente são 11 equipes no mundo todo, sendo a Brasileira a única na América Latina, sendo que grande parte tem patrocinadores de diferentes segmentos (chocolate, relógio, etc).

Atualmente Marta desenvolve trabalhos no seu Ateliê, pois foi formada pela EPDA em 1.990, esses trabalhos constituem de folheação a ouro, esculturas e telas, sempre trabalhos artesanais.

Entre seus trabalhos mais recentes esta a revitalização da Mesquita do Brasil, na avenida do Estado em São Paulo.

Na aviação Brasileira sempre existiu o grande problema de patrocínios, pois nossos impostos muito altos fazem com que grandes empresas não invistam nessa área, onde tem uma grande visibilidade por parte do público.

Atualmente, perdemos grandes shows aéreos que ficam restritos aos Portões Abertos da Força Aérea Brasileira (FAB), sendo estes realizados em Unidades Aéreas ou Bases Aéreas.

O show com o pessoal da aviação Civil diminui muitos em todos esses anos... pena!

Quem sabe um dia os brasileiros voltam a ter shows aéreos como no passado não tão distante?

Vamos ao show!

Bons Voos...